RSS

COLUNA DO SARDINHA – A ERA DELLE 3

20 maio
A democracia ainda não chegou à Economia brasileira e se depender dos últimos governos – FHC e Lula – dificilmente chegará.

O primeiro FHC promoveu uma mal planejada privatização, que transferiu aos particulares, monopólios que antes pertenciam ao Estado e que agora ficaram sujeitos aos humores e misericórdia de empresários, a maioria estrangeiros, cujo escopo invariavelmente é o lucro – e se for fácil, melhor ainda.

Setores estratégicos como energia, comunicações e mineração foram privatizados em bloco, permitindo que pequenos grupos se apoderassem de setores vitais da economia, ferindo até a soberania do país.

Lula, ao contrário do prometido em campanha, concentrou ainda mais o poder econômico nas mãos de tais grupos, permitindo fusões – como a da BrasilTelecom/OI – estimulando com financiamentos do BNDES a formação de conglomerados com a finalidade única de fortalecer monopólios.

Para o lado que olharmos, impera a mais negra ditadura que se conhece a ditadura econômica, que subjuga à força do capital os menos favorecidos.

Principalmente, após a Segunda Guerra, o Estado apoderou-se dos meios de produção e da economia como um todo. Tudo gravitava em torno do Estado que controlava desde a Bolsa de Valores até os índices mais inusitados como natalidade e mortalidade de nascituros, por exemplo. Quem não se lembra da inflação do chuchu do Mario Henrique Simonsen e mais recentemente no governo Lula da proibição do IPEA de publicar projeções de índices futuros?

Só para relembrar: o governo divulga através de seus órgãos entre outros índices, a inflação, os juros (taxa SELIC), o cálculo do Produto Interno Bruto e até a cotação do dólar. Não queremos dizer com isso, que tais institutos que promovem tais levantamentos, não gozem de confiabilidade, mas pelas experiências passadas, a tentação política de manipular tais dados é muito forte.

O embaixador Rubens Ricupero, ministro do governo Itamar ficou célebre pela declaração “in off” na Rede Globo e que por descuido foi ao ar, mais ou menos assim: o que é bom (para o governo) a gente divulga e o que não presta a gente esconde…

Isto valeu para o ministro, o cargo. Mas, quantas vezes isto não ocorreu na história política do Brasil? Isto se deve em grande parte à falta de democracia na economia brasileira, onde o centralismo é a regra.

O governo Lula agravou tal fato e vai transmitir o poder ao novo presidente um Brasil mais “amarrado” ainda.

Além do Estado continuar “mandando” nos dados, importantes e cruciais para o desempenho da economia como um todo, pequenos grupos continuarão a impor ao país políticas que interessam apenas a eles, entravando a distribuição de riqueza e o desenvolvimento como um todo.

– A “estatal” Petrobras que recentemente adquiriu a Usina Santa Elisa de açúcar e álcool (!) vai continuar monopolizando o setor de combustíveis da produção à distribuição;

– cinco ou seis empreiteiras continuarão ditando regras para o setor de distribuição de energia elétrica e beneficiárias de contratos milionários para construção de hidrelétricas e com multas astronômicas para sua rescisão.

O mesmo irá repetir-se no setor de química fina, comunicações, mineração e muitas outras, deixando o novo governo, seja lá quem for o presidente, atados de mãos e pés e sem muitas opções.

Lula se vai, mas garantimos que será sempre lembrado, pois deixará um esquema amarradinho pelo menos até dois mil e vinte, que não permitirá que dele se esqueçam.

Luiz Bosco Sardinha Machado
 
Deixe um comentário

Publicado por em maio 20, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: