RSS

GOVERNO E MEIO AMBIENTE

01 jul
MEIO AMBIENTE E AÇÃO DO GOVERNO

 
  * Ricardo Rose

Uma grave crise está assolando o sistema capitalista desde o final de 2008. O processo teve início no setorbancário americano, e, contaminado o sistema financeiro mundial, arrastou consigo outros setores da economia, provocando a maior crise econômica mundial, desde a quebra da bolsa de Nova York em 1929.

Até o momento cerca de 80 milhões de pessoas perderam o emprego em todo o mundo, devido à crise. Em muitos países houve quebra de dezenas bancos e falência de milhares de empresas. A crise só não foi maior, porque os governos interferiram imediatamente na economia, ajudando o setor privado através da injeção de recursos.

Ironicamente, foi o Estado, sempre considerado pelos economistas liberais e por muitos empresários como um obstáculo ao desenvolvimento da economia, quem ajudou o setor privado a sobreviver à crise. Grandes bancos americanos e empresas automobilísticas tradicionais foram ajudados financeiramente pela administração Barak Obama. 
No Brasil, a pronta ação do governo, com a eliminação do imposto sobre produtos industrializados (IPI), permitiu que vários setores industriais – como a de eletrodomésticos, automóveis, material de construção, entre outros – continuassem a manter as suas vendas e mantivessem seus faturamentos e os postos de trabalho. A ação dos governos, no Brasil e em todo o mundo, foi decisiva.
Interferiu na economia, o que permitiu amenizar os efeitos da crise. Se tivessem seguido o receituário dos economistas liberais – confiando na auto-regulação dos mercados – a crise teria sido muito mais violenta, gerando catástrofes imprevisíveis – vale lembrar que a Segunda Grande Guerra (1939-1945) foi uma conseqüência direta da crise de 1929.
No entanto, no setor ambiental o governo também deveria interferir mais efetivamente, da mesma maneira como o fez na economia. A criação de leis e controles mais efetivos, financiamentos e incentivos, são instrumentos para colocar este setor em marcha, permitindo que além de se recuperar o meio ambiente, centenas de empresas e milhares de profissionais possam continuar atuando. 
O governo deve apoiar mais efetivamente iniciativas como as dos Comitês de Bacias Hidrográficas, que prevê a cobrança do uso da água de rios pelos grandes consumidores. Pode apresentar emendas e apressar a aprovação de uma lei nacional de resíduos sólidos, que finalmente responsabilize todos os atores envolvidos na questão da geração de resíduos, perigosos ou não. 
Além disso, o governo precisa criar incentivos e dar garantias, de modo a possibilitar que mais investimentos – principalmente do setor privado – sejam carreados para o setor de saneamento.
O Brasil tem grandes perspectivas para um futuro próximo. A situação econômica privilegiada, a continuidade do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), a realização de grandes espetáculos esportivos de projeção mundial (Copa e Olimpíada) e as obras do Pré-Sal, sem dúvida movimentarão muitos recursos. 
Mas, é preciso que neste contexto não sejam esquecidos os investimentos em meio ambiente. Mais importante que atividades passageiras, mesmo que estas movimentem muito dinheiro, é conservar os recursos naturais para as próximas gerações. E isto é uma atribuição do governo.
Ricardo Rose- Diretor de
Meio Ambiente e Sustentabilidade
Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha
Deutsch-Brasilianische Industrie- und Handelskammer
E-mail: mambiente@ahkbrasil.com | Internet: http://www.ahkbrasil.com

 
 
 

 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 1, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: