RSS

Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Brasil

31 ago



Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Brasil – Fonte IBGE

Base: Julho de 2010

Em julho, produção industrial cresce 0,4%

Em julho de 2010, a produção industrial avançou 0,4% frente a junho, na série livre de influências sazonais, após três meses consecutivos de queda. Em relação a igual mês de 2009 houve expansão de 8,7%, completando nove meses seguidos de taxas positivas. O acumulado nos sete primeiros meses do ano (15,0%) ficou abaixo do registrado no primeiro semestre (16,2%). O acumulado nos últimos 12 meses (8,3%), acentuou o ritmo de crescimento frente a junho (6,5%), permanecendo com a trajetória ascendente iniciada em outubro de 2009.
Com o avanço de 0,4% entre junho e julho, a produção industrial ficou 1,7% abaixo do recorde alcançado em março. O aumento em julho foi disseminado e atingiu 17 dos 27 ramos pesquisados. Os desempenhos com maior importância para o resultado global vieram de veículos automotores (3,6%), outros produtos químicos (3,0%), farmacêutica (4,6%) e outros equipamentos de transporte (6,8%) – todas com taxas negativas no mês anterior (respectivamente, -1,0%, -4,4%, -3,1% e -4,8%). Também merece destaque o avanço de 2,3% em refino de petróleo e produção de álcool, no segundo mês consecutivo de crescimento, após recuo de 3,5% em maio.
Já as principais influências negativas vieram de máquinas e equipamentos (-6,0%), edição e impressão (-5,6%), produtos de metal (-3,1%) e borracha e plástico (-2,1%).
Entre as categorias de uso, ainda na comparação com junho, bens intermediários e bens de consumo duráveis, ambos com expansão de 0,9%, sustentaram o maior ritmo de crescimento. Já bens de consumo semi e não duráveis ficou próxima do resultado geral, com 0,3%; e bens de capital (-0,2%) foi a única com taxa negativa nessa comparação.
Mesmo com a alta entre junho e julho, a média móvel trimestral permaneceu negativa pelo segundo mês consecutivo: o trimestre encerrado em julho ficou 0,3% abaixo do nível de junho. Ainda neste índice, bens de consumo duráveis (-0,9%) teve a maior perda entre as categorias de uso, seguido de bens de capital (-0,7%), que interrompeu 13 meses de resultados positivos, e bens de consumo semi e não duráveis (-0,5%), que ficou negativo pelo terceiro mês seguido. Bens intermediários, com variação de 0,1%, foi o único a registrar alta em julho, após ficar estável em junho (0,0%).
Na comparação com julho de 2009, alta em 57 dos 76 subsetores
Em relação a julho de 2009, o crescimento ficou em 8,7%, menor taxa desde os 5,3% registrados em novembro de 2009. O mês de julho de 2010, com 22 dias, teve um dia útil a menos que o mesmo mês do ano anterior (23).
O índice foi sustentado pelo crescimento em 57 dos 76 subsetores, 21 dos 27 ramos e 65% dos produtos pesquisados. Entre os setores, as maiores influências positivas sobre a taxa global vieram de veículos automotores (26,5%), metalurgia básica (19,5%), alimentos (7,3%), máquinas e equipamentos (14,5%), indústrias extrativas (10,1%), refino de petróleo e produção de álcool (6,9%) e bebidas (15,4%). Já os itens de maior destaque foram: caminhão-trator, caminhões e automóveis; ferronióbio e vergalhões de aços ao carbono; açúcar cristal e sucos concentrados de laranja; carregadoras-transportadoras, empilhadeiras propulsoras e motoniveladores; minérios de ferro; óleo diesel, álcool e naftas para petroquímica; e cervejas, chope e refrigerantes. Já os impactos negativos mais relevantes vieram de máquinas para escritório e equipamentos de informática (-15,4%) e edição e impressão (-6,9%), pressionados pela menor fabricação de computadores, no primeiro ramo, e de cds e livros didáticos no segundo.
Ainda na comparação com julho de 2009, os índices foram positivos para todas as categorias de uso, com bens de capital (21,1%) registrando ritmo de crescimento bem superior ao da indústria geral (8,7%). Esse resultado foi sustentado pelos índices positivos em quase todos seus subsetores, com bens de capital para equipamentos de transporte (36,8%) exercendo a principal influência, seguido por bens de capital para construção (95,8%), para fins industriais (18,9%), agrícolas (55,9%) e para uso misto (4,8%).
O segmento de bens intermediários (11,3%), também acima da média da indústria, mostrou o 9º avanço consecutivo na comparação mês/igual mês do ano anterior, influenciado por todos seus subsetores, com destaque para os produtos associados às atividades de metalurgia básica (19,5%), veículos automotores (32,1%), indústrias extrativas (10,3%), refino de petróleo e produção de álcool (7,0%) e alimentos (12,7%). Nesses grupamentos sobressaíram a maior fabricação de ferronióbio e vergalhões de aços ao carbono; chassis com motor para caminhões e ônibus e peças e acessórios para veículos; minérios de ferro; óleo diesel e naftas para petroquímica; e açúcar cristal. Também exerceram pressão positiva os grupamentos de insumos para construção civil (9,5%) e de embalagens (9,7%).
Avançando em ritmo menor que a média geral (8,7%), estão bens de consumo semi e não duráveis (3,9%) e bens de consumo duráveis (2,2%). No primeiro segmento, com exceção de outros não duráveis (-1,3%), todos grupamentos registraram desempenho positivo, com alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (7,7%) assinalando a principal influência, sobretudo devido aos itens cervejas, chopes, sucos concentrados de laranja e refrigerantes. Também se destacaram os resultados positivos de carburantes (6,8%) e semiduráveis (4,3%), impulsionados pelos itens álcool e gasolina, no primeiro grupo, e calçados no segundo.
Ainda abaixo do índice geral, a produção de bens de consumo duráveis cresceu 2,2% na comparação com julho de 2009, sustentada em grande parte pelos avanços em automóveis (5,1%), eletrodomésticos da “linha marrom” (20,3%) e telefones celulares (15,5%), já que os subsetores de eletrodomésticos da “linha branca” (-33,7%), outros eletrodomésticos (-8,3%) e de artigos do mobiliário (-3,4%) pressionaram negativamente.
No acumulado dos sete primeiros meses do ano, frente ao mesmo período de 2009, o avanço ficou em 15,0%, com perfil generalizado de crescimento que atingiu 25 atividades e todas as categorias de uso. Entre os setores, veículos automotores (31,4%) e máquinas e equipamentos (37,5%) mantiveram a liderança em termos de contribuição para a taxa global da indústria, impulsionados pelos resultados positivos da maior parte dos produtos pesquisados (cerca de 96% e 86%, respectivamente). Destaques ainda para as expansões de metalurgia básica (29,8%), outros produtos químicos (15,9%), produtos de metal (32,6%), indústrias extrativas (15,4%), alimentos (5,7%) e borracha e plástico (19,8%). Em termos de produtos, os destaques foram: automóveis, caminhão-trator e caminhões; aparelhos carregadoras-transportadoras, compressores, fornos microondas e motoniveladores; lingotes, blocos e tarugos de aços ao carbono e de aços especiais e vergalhões de aços ao carbono; herbicidas; partes e peças para bens de capital; minérios de ferro; açúcar cristal e sucos concentrados de laranja; e pneus e peças e acessórios de borracha e plástico para indústria automobilística. Já os ramos de outros equipamentos de transporte (-5,9%) e de fumo (-10,4%) exerceram as duas únicas pressões negativas sobre a média global.
Entre as categorias de uso, ainda no acumulado no ano, bens de capital (28,3%) prosseguiu com a taxa mais elevada, seguido por bens de consumo duráveis (17,6%) e bens intermediários (16,4%), todos com expansão acima da média nacional (15,0%). Bens de consumo semi e não duráveis, com avanço de 7,0%, teve o crescimento mais moderado.
Em síntese, o resultado positivo em julho (0,4%) atingiu 17 dos 27 setores industriais e três das quatro categorias de uso, revertendo três meses consecutivos de queda. Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral prosseguiu em queda (-0,3%), embora com taxa menos intensa que a de junho (-0,7%).
Nas comparações que envolvem 2009, permaneceu o quadro de predomínio de resultados positivos, mas decrescentes nos últimos quatro meses. No índice mensal (8,7%), observa-se redução no ritmo de crescimento frente ao acumulado do primeiro semestre (16,2%). Tal movimento foi acompanhado por todas as categorias de uso e por 21 dos 27 setores investigados, reflexo do comportamento mais moderado da atividade industrial nos últimos meses e também da elevação da base de comparação, pois o segundo semestre de 2009 teve ritmo mais intenso que o do primeiro.
Arquivos oficiais do governo estão disponíveis aos leitores.
Ricardo Bergamini




 
Deixe um comentário

Publicado por em agosto 31, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: