RSS

ÓLEO DE MARACUJÁ

01 set
Fábrica recém-inaugurada produz óleo natural de maracujá



VILMA HOMERO- FAPERJ

O Brasil é um dos grandes produtores mundiais de maracujá. Mas 70% da fruta – o que significa dizer cascas e sementes – são descartados depois do aproveitamento da polpa pela indústria de suco. Mesmo esse resíduo pode ser aproveitado. Suas sementes podem servir como matéria-prima para extração de óleos para uso na indústria de cosméticos. Um projeto com essa finalidade uniu em parceria a empresa Extrair Óleos Naturais, Embrapa e Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). Com recursos do edital Inovação Tecnológica da FAPERJ, foi instalada uma primeira unidade em Bom Jesus do Itabapoana, no noroeste fluminense.

Visitantes comemoram a inauguração da fábrica, que
significa emprego e renda no noroeste fluminense

A extração de óleos naturais não é novidade. No caso do maracujá, no entanto, as sementes são bastante sensíveis à deterioração por processos de fermentação, o que costuma resultar em óleo de baixa qualidade. Para evitar que isso aconteça, estudos na Uenf e na Embrapa desenvolveram um equipamento específico para lavagem e secagem das sementes. “Essa foi uma das inovações que introduzimos no processamento”, afirma Sérgio Cenci, pesquisador da Embrapa Agroindústria de Alimentos e coordenador da pesquisa. Ele explica que o trabalho começa com a separação de cascas das sementes. “Isso é feito por ocasião da extração do suco na indústria. O tratamento dessas sementes (lavagem e secagem) deve ser feito o mais rapidamente possível. O ideal é que seja feito ainda na própria unidade industrial de produção de suco”, diz.

No caso da Extrair, de Bom Jesus de Itabapoana, a fábrica foi montada em proximidade às indústrias de suco, o que já facilita essa logística. Ao chegar, a matéria-prima é separada e logo entra no processo de lavagem. “Essa etapa é importante porque as sementes vêm envoltas em mucilagem, uma espécie de película que as recobre e que precisa ser retirada durante essa fase. Essa mucilagem, que é rica em pectina, pode, inclusive, ser também aproveitada na indústria de alimentos. É uma substância que serve para dar consistência cremosa a certos alimentos, como geleias”, explica Sérgio.

Divulgação
Sandro Reis (esq.), da Extrair,
e Sérgio Cenci, da Embrapa

O equipamento substitui a lavagem feita manualmente. Resultado de projeto que uniu pesquisadores da Embrapa e da Uenf, a máquina foi especialmente desenvolvida para reduzir o tempo e tornar tudo mais eficiente. Para tanto, usa água aquecida, a que são acrescentados solventes para agilizar o processo. “Com isso, além de uma lavagem mais rápida, também conseguimos reduzir substancialmente a quantidade de água utilizada”, fala Sandro Reis, um dos sócios da recém-inaugurada empresa Extrair.

Na etapa seguinte, as sementes já lavadas passam para a secagem. “Ajustamos os parâmetros de temperatura para não prejudicar a qualidade na extração do óleo que será feita a seguir”, explica Sandro. Na extração, feita por prensagem, a prensa, que é regulável, é semelhante à usada para retirada de óleo de sementes girassol ou pinhão-manso, matéria-prima para produção de biodiesel. Depois de passar por uma filtragem, o óleo obtido já está pronto para ser embalado e transportado.

“Em todo o processo podemos destacar dois problemas. As sementes, que chegam podem fermentar quando são estocadas em condições inadequadas; por outro lado, o óleo já extraído, que é instável, também requer cuidados tanto na estocagem quanto no transporte para manter a qualidade. Caso contrário, ele pode oxidar”, explica Sandro. Essa questão vem motivando novas pesquisas. Os pesquisadores da Embrapa e da Uenf agora estudam métodos de para evitar a oxidação e manter a qualidade do óleo.

Sérgio Cenci explica que da fruta propriamente dita, apenas 30% formam a polpa aproveitada pela indústria de suco. “Dos restantes 70% de cascas e sementes, a maior parte é formada por cascas, que somam 58%. Apenas 12% são sementes. Essas sementes brutas (semente úmida mais a mucilagem), depois de lavadas e secas reduzem-se à 5% da massa total”, esclarece. Em números, isso significa que no processamento de 10 mil toneladas de frutas para a indústria do suco, as 7 mil toneladas de resíduos resultarão em apenas 5% de sementes secas, ou 350 toneladas. Essas sementes secas produzirão 25% de óleo, ou 87,5 toneladas. “A preços entre R$ 20 a R$ 30 o quilo do óleo, é sempre um aproveitamento interessante”, diz o pesquisador.

É uma atividade rentável, pensada para se tornar economicamente viável em pequenas unidades – a de Bom Jesus emprega 10 pessoas – e atender à demanda por reutilização de resíduos hoje descartados. “Assim, ao produzirmos óleo de ótima qualidade, estamos gerando valor agregado a um material que, de outra forma, seria descartado. E esse modelo de unidade pode ser reproduzido junto a fábricas da própria indústria de suco, gerando novos empregos na região e renda, sem grandes custos adicionais”, conclui.

O Brasil produz cerca de 85% do maracujá colhido no mundo. Praticamente toda a produção do maracujá brasileiro – algo em torno de 500 mil toneladas – alimenta a indústria do suco, que é o terceiro mais consumido no país, atrás apenas do de laranja e de caju. Produção que vem crescendo nos últimas duas décadas e ampliando as áreas de cultivo da fruta.

A Empresa Extrair Óleos Naturais foi inaugurada no dia 14 de agosto, durante as comemorações pelo aniversário da cidade
de Bom Jesus do Itabapoana. Na solenidade, estiveram presentes o diretor-presidente da FAPERJ, Ruy Garcia Marques, e seu chefe de gabinete, Roberto Dória. Em seu discurso, Ruy Marques, que também é bonjesuense, referiu: “A diversificação na distribuição de recursos que a FAPERJ vem realizando tem permitido o incremento de muitas pequenas empresas, em todas as regiões do Estado, gerando oportunidade de empregos e a conseqüente fixação da população em seu local de origem. Dessa forma, tem contribuído para o desenvolvimento econômico e social de muitos municípios”.

Marques também aproveitou para anunciar, ainda para este ano, o lançamento de nova versão de edital para Apoio a Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica, além de um novo edital para Apoio à Inovação Tecnológica na Área de Design, este em parceria com Firjan e Sebrae. Além de participarem da inauguração da Extrair, Marques e Dória realizaram visita de acompanhamento a vários outros projetos que vêm sendo desenvolvidos no município, com o apoio da FAPERJ.
Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 1, 2010 em Uncategorized

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: