RSS

CONTAS NACIONAIS TRIMESTRAIS

03 set
Contas Nacionais Trimestrais – Indicadores de Volume e Valores Correntes – Fonte IBGE
Base: Segundo Trimestre de 2010
PIB cresce 1,2% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 900,7 bi
Em relação ao primeiro trimestre de 2010, o PIB (Produto Interno Bruto)1a preços de mercado do segundo trimestre de 2010 cresceu 1,2%, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal2. A agropecuária registrou o maior aumento (2,1%), seguida pela indústria (1,9%) e pelos serviços (1,2%).
Na comparação com o segundo trimestre de 2009, o PIB cresceu 8,8%. Dentre as atividades econômicas, destacou-se a indústria (13,8%), seguida pela agropecuária (11,4%) e pelos serviços (5,6%).
No acumulado nos quatro trimestres terminados no segundo trimestre de 2010, o crescimento foi de 5,1% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. No acumulado no ano de 2010, em relação ao mesmo período de 2009, o PIB variou 8,9%. O PIB em valores correntes alcançou R$ 900,7 bilhões.
Em relação ao 1º tri de 2010, agropecuária é atividade que cresce mais
O PIB cresceu 1,2% na comparação do segundo trimestre de 2010 contra o primeiro trimestre do ano, e o maior destaque foi a agropecuária (2,1%), seguida pela indústria (1,9%). Os serviços apresentaram crescimento de 1,2%.
Em relação aos componentes da demanda interna, destaque para o crescimento da formação bruta de capital fixo (FBCF, ou investimento planejado), com expansão de 2,4% no segundo trimestre deste ano. A despesa de consumo das famílias cresceu 0,8%, enquanto a despesa de consumo da administração pública cresceu 2,1%.
Pelo lado do setor externo, tanto as exportações (1,0%) como as importações de bens e serviços (4,4%) apresentaram crescimento.
Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, indústria tem melhor desempenho
Na comparação com o segundo trimestre de 2009, o PIB cresceu 8,8%, sendo que o valor adicionado cresceu 8,2% e os impostos sobre produtos, 12,6%. Dentre as atividades, mesmo desacelerando em relação à taxa do trimestre anterior, destaca-se o crescimento da indústria (13,8%). Por outro lado, a agropecuária acelerou, passando a crescer 11,4%, seguida pelos serviços, com aumento de 5,6%.
Todas as atividades industriais apresentaram crescimento de dois dígitos, sendo que a maior expansão se deu na construção civil (16,4%), em grande parte por conta da expansão do crédito direcionado, em termos nominais, de 34,0%. Além disso, houve um aumento de 14,1% na extrativa mineral, seguida pela indústria de transformação (13,8%) e por eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (10,8%).
A taxa da agropecuária pode ser, em grande parte, explicada por dois fatores: aumento da produtividade e desempenho de alguns produtos da lavoura que possuem safra relevante no trimestre3. Esse é o caso, por exemplo, da soja, do café, do milho e do algodão, com estimativas de aumento de produção, no ano de 2010, de 19,8%, 13,2%, 4,4% e 2,2%, respectivamente. Por outro lado, o arroz, cuja safra também é significativa no período, apresentou queda de produção da ordem de 10,3%.
Entre os serviços, todas as atividades registraram variações positivas, com destaque para o comércio (atacadista e varejista), com crescimento de 11,8%; transporte, armazenagem e correio (11,2%); e intermediação financeira e seguros (9,8%). Os serviços de informação cresceram 3,4%. A atividade outros serviços, que além dos serviços prestados às empresas, engloba serviços prestados às famílias, saúde mercantil, educação mercantil, serviços de alojamento e alimentação, serviços associativos, serviços domésticos e serviços de manutenção e reparação, cresceu 2,6%. Mesmo desempenho teve a atividade de administração, saúde e educação pública (2,6%). Por fim, os serviços imobiliários e aluguel cresceram 1,9%.
Frente a 2009, formação bruta de capital fixo tem maior expansão da série histórica
Dentre os componentes da demanda interna, a despesa de consumo das famílias cresceu 6,7%, a 27ª variação positiva consecutiva nessa comparação. Um dos fatores que contribuíram para esse resultado foi o crescimento de 7,3% na massa salarial real, no segundo trimestre de 2010, aliado, no mesmo período, ao aumento nominal de 17,1% do saldo de operações de crédito para as pessoas físicas. Já a despesa de consumo da administração pública cresceu 5,1%.
Mas o principal destaque veio da formação bruta de capital fixo, que teve expansão de 26,5% em relação ao segundo trimestre de 2009, o maior crescimento desde o início da série histórica, em 1996. Dentre os fatores que contribuem para explicar esse crescimento, destacam-se a expansão da produção interna e da importação de máquinas e equipamentos, bem como o comportamento da taxa básica de juros Selic no período, além da baixa base de comparação do 2º trimestre de 2009.
Pelo lado da demanda externa, as exportações (7,3%) e as importações de bens e serviços (38,8%) apresentaram crescimento. A valorização cambial ajuda a explicar o maior crescimento relativo das importações, e os produtos que mais contribuíram para esse resultado foram siderurgia; refino do petróleo e petroquímicos; veículos; têxteis; borracha; equipamentos eletrônicos; extrativa mineral; e material elétrico.
Em 12 meses, destaques também são indústria e investimento
O PIB acumulado nos quatro trimestres terminados no segundo trimestre de 2010 cresceu 5,1% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores, resultado da elevação de 4,7% do valor adicionado a preços básicos e do aumento de 7,6% nos impostos sobre produtos. O resultado do valor adicionado nessa comparação decorreu dos seguintes desempenhos: indústria (5,6%), serviços (4,5%) e agropecuária (1,6%).
Dentre as atividades industriais, destaque para a extrativa mineral (7,6%), seguida pela indústria de transformação (5,9%), construção civil (5,5%) e eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (4,1%). Já nos serviços, as maiores elevações ocorreram em intermediação financeira e seguros (8,4%), no comércio (7,7%) e em transporte, armazenagem e correio (6,3%).
Na análise da demanda, a formação bruta de capital fixo cresceu 8,9%, seguida pela despesa de consumo das famílias (6,9%). A despesa de consumo da administração pública, por sua vez, cresceu 3,4%. No âmbito do setor externo, as exportações (0,7%) e as importações (12,7%) apresentaram crescimento.
Após queda em 2009, PIB tem maior crescimento da série histórica no primeiro semestre
No primeiro semestre de 2010, o PIB cresceu 8,9%, em relação a igual período de 2009. Foi o melhor desempenho histórico para um semestre desde o início da série, em 1996. Na mesma base de comparação, a indústria cresceu 14,2%, seguida pela agropecuária (8,6%) e pelos serviços (5,7%).
Dentre as quatro atividades da indústria, os maiores crescimentos ficaram com a construção civil (15,7%) e a indústria de transformação (15,4%). Tiveram variações positivas também a extrativa mineral (13,9%) e a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (9,5%). Nos serviços, as maiores altas foram no comércio (13,5%) e em transporte, armazenagem e correio (11,8%). As atividades de intermediação financeira e seguros (9,4%), serviços de informação (3,0%), outros serviços (2,5%), administração, educação e saúde pública (2,5%) e serviços imobiliários e aluguel (1,9%) também registraram expansão.
Na análise da demanda interna, mais uma vez destaca-se o crescimento de 26,2% da formação bruta de capital fixo – o maior da série histórica iniciada em 1996 –, seguido pela despesa de consumo das famílias (8,0%) e a despesa de consumo da administração pública (3,6%). Analisando o setor externo, as importações (39,2%) tiveram o maior crescimento da série e registraram expansão superior à das exportações (10,5%).
PIB chega a R$ 900,7 bilhões no segundo trimestre de 2010
O PIB a preços de mercado, para o segundo trimestre de 2010, alcançou R$ 900,7 bilhões, sendo R$ 769,5 bilhões referentes ao valor adicionado e R$ 131,2 bilhões aos impostos sobre produtos. A tabela a seguir mostra os valores por atividade, segundo as diversas óticas do PIB.
A taxa de investimento no segundo trimestre de 2010 foi de 17,9% do PIB, superior à taxa referente ao mesmo período do ano anterior (15,8%). A taxa de poupança (18,1%) também superou a de 2009 (16,0%).
No resultado do segundo trimestre de 2010, a necessidade de financiamento alcançou R$ 24,3 bilhões contra R$ 7,6 bilhões no mesmo período do ano anterior, aumento explicado, principalmente, pela redução no saldo externo de bens e serviços, no montante de R$ 12,9 bilhões, e pelo aumento de R$ 3,4 bilhões em renda líquida de propriedade enviada ao resto do mundo.

A renda nacional bruta atingiu R$ 879,7 bilhões no segundo trimestre de 2010, contra R$ 761,6 bilhões no respectivo período de 2009, e a poupança bruta chegou a R$ 162,8 bilhões, contra R$ 124,6 bilhões no mesmo período do ano anterior.

Notas:
1 Bens e serviços produzidos no país descontadas as despesas com os insumos usados no processo de produção durante o ano.
2 As séries da agropecuária, indústria, serviços, valor adicionado, PIB, despesa de consumo da administração pública, despesa de consumo das famílias, formação bruta de capital fixo, exportações e importações de bens e serviços são ajustadas sazonalmente de maneira direta, ou seja, individualmente.
3 Segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA/IBGE).
Arquivos oficiais do governo estão disponíveis aos leitores.
Ricardo Bergamini

 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 3, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: