RSS

DIMENSÃO AMBIENTAL

07 set

GEE: emissão cresce 7,3%, de 2000 a 2005

Da Agência Ambiente Energia – O país, nos últimos anos, registrou melhorias em alguns indicadores ambientais, mais há ainda um longo caminho a percorrer para ter resultados mais significativos. É o que mostra o retrato traçado pela dimensão ambiental do Indicador de Desenvolvimento Sustentável (IDS), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no dia 1º de setembro. No lado ambiental, são 20 indicadores, divididos pelos temas atmosfera; terra; água doce; oceanos, mares e áreas costeiras; biodiversidade e saneamento.
Segundo o IDS, o total líquido de emissão de gases do efeito estufa no Brasil passou, no período 2000 a 2005, de 2,05 para 2,20 bilhões de toneladas de C02 equivalente, com crescimento de 7,3%. No período 1990 a 1994, teve salto de 1,35 para 1,48 bilhão toneladas de C02 equivalente. O indicador mostra que, de 1990 para 2005, o avanço das emissões foi de quase 40%.
“As atividades relacionadas a mudanças no uso das terras e florestas – que incluem os desmatamentos na Amazônia e as queimadas no cerrado – contribuíram com 57,9% do total das emissões líquidas (emissões brutas menos remoções) de gases de efeito estufa produzidos pelas atividades humanas em 2005″, aponta o IBGE. Em segundo lugar, ficou a agricultura, com 480 milhões de toneladas de C02 equivalente (21%). A produção de energia ficou em terceiro lugar na emissão de gases-estufa, em 2005, contribuindo com 16% do total (362 milhões de toneladas de CO2 eq).
“Isso se deve principalmente à natureza da matriz energética nacional, que tem forte participação de fontes renováveis de energia, com predomínio de hidrelétricas e de biomassa (lenha e biocombustíveis)”, justifica o IBGE.
Na dimensaão econômica, com seus 11 indicadores, o IDS revela que o consumo de energia per capita atingiu, em 2009, 48,3 GJ/hab, mas eficiência do uso não aumentou. De acordo com o IBGE, este foi o segundo maior índice desde o início da série histórica, em 1992, só perdendo para 2008, quando alcançou o patamar de 50 GJ/hab. No entanto, a intensidade energética se manteve estável desde 1995.
“Desde então, o índice oscilou entre 0,209 toneladas equivalentes de petróleo (tep) por R$ 1.000, o menor da série, e 0,213 tep/R$ 1.000, em 2009. O pico foi atingido em 1999, quando o índice alcançou 0,229 tep/R$ 1.000 (quanto menor o valor, maior a eficiência no uso de energia)”, explica o IBGE. O país também ratifica sua força no uso de energias renováveis. O IDS mostra que, em 2009, 47,2% da energia utilizada no Brasil era proveniente de fontes renováveis, contra os 47,6% do início da série histórica em 1992.
“O que se verificou foi um período de queda até 2001, quando o índice chegou a 39,3%, resultado da queda na participação de hidrelétricas, da redução do consumo de lenha e carvão vegetal e do aumento da participação do gás natural na matriz energética brasileira. Já o crescimento a partir de 2002 (41%) se deveu principalmente ao aumento da utilização de biomassa (cana-de-açúcar), e em menor escala das chamadas fontes alternativas, como energia solar, eólica, biogás, entre outras”, destaca o IBGE, baseada em dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 7, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: