RSS

PROJETO DE MORADIAS PARA VITIMAS DE DESALOJAMENTO

22 set

Arquiteta formada pela UFMG projeta habitação em PVC para alojar temporariamente vítimas de catástrofes naturais ou guerras

Giselle Ferreira*/UFMG
Dados da ONU indicam que existem cerca de 24,5 milhões de deslocados internos espalhados em 52 países. Essas pessoas, que deixam os seus lares em função de conflitos armados ou desastres naturais, raramente são encaminhadas a alojamentos adequados. No Brasil, de 100 a 200 mil pessoas por ano perdem suas casas em função das chuvas, mas a Defesa Civil não po ssui um sistema que possa abrigá-las temporariamente. Na grande maioria dos casos, os alojamentos são improvisados em locais inadequados, como escolas e igrejas.


Alternativa para fazer frente a essa deficiência pode estar no protótipo de casa desmontável com placas de PVC, desenvolvido pela arquiteta Isabel Brant como projeto de graduação na UFMG apresentado em 2009. No mês passado, o trabalho recebeu menção honrosa na categoria Projetando com PVC, da 22ª edição do Concurso Ópera Prima, que premia os melhores trabalhos de conclusão de curso pelos graduandos brasileiros de arquitetura.

A Habitação Temporária Desmontável foi pensada para propiciar praticidade ao processo de construção, com o objetivo de facilitar a reintegração das pessoas a seus locais de origem. As casas são formadas por peças modulares de PVC, que podem ser montadas em função da necessidade. O kit habitacional, desenhado para abrigar uma pessoa com conforto, inclui mesas, prateleiras e bancos – mobiliário também modular e de PVC. Ele pesa 450 quilogramas e foi projetado para, desmontado, ocupar apenas dois metros cúbicos. A peça mais pesada do sistema construtivo tem 30 quilogramas, sendo, portanto, facilmente transportada. No entanto, a despeito da simplicidade das instalações, Isabel Brant garante que as habitações não abrem mão do conforto e “fornecem boa iluminação, ventilação, privacidade e segurança”.

Como as decisões envolvendo a elaboração de um projeto arquitetônico são definidas em função das condições geográfica e dimensional do terreno, Isabel afirma ter encontrado diversos desafios para chegar ao protótipo final.

“Não tive acesso a critérios de orientação. Além disso, existem poucos espaços móveis e a bibliografia é limitada, mas acabei me inspirando em espaços como circos, exposições, feiras, acampamentos, centros de pesquisa e até mesmo em barcos”, conta ela. A habitação desmontável também se adapta facilmente à topografia de diversos terrenos, permitindo sua instalação em locais mais próximos dos desastres, e pode ser reutilizada várias vezes.
Passo a passo da montagem
• A base da habitação é formada por pequenos pilares de concreto, para evitar contato direto com o solo e se adaptar aos terrenos.
• Por meio de hastes metálicas em forma de H, as placas de PVC são encaixadas umas às outras. Todos os lados do cubo, incluindo portas e janelas, são montados da mesma forma.
• Pinos encaixados às hastes de metal sustentam as placas de PVC que compõem as divisórias internas.

Um material de vida longa

Leve, asséptico, impermeável, resistente, durável e bom isolante térmico, elétrico e acústico, o cloreto de polivinila, ou simplesmente PVC, é o único material à base de plástico que não depende totalmente do petróleo para ser produzido. Sua resina é formada por componentes químicos extraídos, por exemplo, do sal da água do mar, e ele gera, na comparação com outros polímeros, quantidade menor de subprodutos tóxicos em sua fabricação. Reciclável, o PVC é um material de longo ciclo – sua vida útil é superior a 50 anos.

O PVC pode ser rígido ou flexível, opaco ou transparente, brilhante ou fosco, colorido ou não. Tais características são obtidas com a utilização de plastificantes, estabilizantes térmicos e pigmentos, entre outros aditivos. Os compostos de PVC dão origem a uma série de aplicações, como produtos médico-hospitalares, pisos, brinquedos, artigos infláveis, tubos, conexões, revestimentos de paredes, estruturas de computadores e móveis de jardim.
Em todo o mundo, o PVC já é o termoplástico mais consumido na construção civil e em obras de infraestrutura. A produção mundial de resinas de PVC em 2006 foi estimada em cerca de 39 milhões de toneladas por ano. O Brasil é o 10º maior consumidor do polímero, com 2% de todo o volume comercializado.
Projeto: Habitação Temporária Desmontável, como projeto de conclusão de curso em Arquitetura pela UFMG, apresentado em junho de 2009

Autora: Isabel Brant
Orientadora: professora Maria Lucia Malard
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 22, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: