RSS

HOLANDA PREOCUPA-SE COM MUDANÇA CLIMÁTICA

19 out
Holanda se previne contra alta das marésFoto da Holanda
 
País, suscetível a alagamentos, preocupa-se com mudanças no clima e investe em obras

Há 57 anos, uma enchente devastou a Holanda e matou 1,8 mil pessoas – número de vítimas semelhante ao de New Orleans com o furacão Katrina. O país nunca esqueceu a tragédia – vários diques não conseguiram conter as águas de uma tormenta associada à maré alta – e todos falam dela como se tivesse acontecido há apenas alguns meses.
Talvez seja por isso que, apesar de as negociações para um tratado climático entre os países avançar muito lentamente, os holandeses tenham decidido não esperar por uma definição global. Optaram por se preparar e se adaptar para as mudanças que inevitavelmente virão com o aumento médio da temperatura do planeta nas próximas décadas.
A maior preocupação é com a subida dos mares: a Holanda tem 25% de seu território abaixo do nível do mar e outros 25% suscetíveis à alagamento.
A cidade de Roterdã, por exemplo, tem como meta cortar suas emissões de gases-estufa em 50% até 2025 e criou um programa para ficar “à prova do clima” até essa data. Paula Verhoeven, que cuida das questões climáticas no município, conta que por muitos anos as pessoas não precisaram se preocupar com o fato de estarem 5 ou 6 metros abaixo do nível do mar. “É importante que daqui a cem anos os moradores também consigam usar a cidade sem ter de pensar se choveu muito, se os túneis alagaram, se está muito quente ou seco”, explica.
Um dos planos é erguer no distrito de Stadshavens 13 mil casas “resilientes às mudanças climáticas” até 2040. Dessas, 1,2 mil serão feitas sobre a água. A área não tem a proteção de diques e era ocupada por atividades portuárias que agora se mudaram para o oeste.
Apesar de parecer loucura, não se trata de um projeto utópico. Num país com pouca terra disponível e que convive tanto com a água, transformar barcos em moradias permanentes é algo relativamente comum – hoje, existem 6 mil barcos-casa. Mais recentemente, porém, houve um boom de casas flutuantes.
Segundo o arquiteto Koen Olthuis, um dos mais reconhecidos no setor, há 300 delas em diferentes partes da Holanda e muitas outras em projeto. São realidade também uma prisão, uma estufa, um conjunto de escritórios e restaurantes flutuantes.
A prefeitura de Roterdã fez também como projeto-piloto um pavilhão flutuante perto de cartões-postais da cidade – a ponte Erasmus e o Hotel New York. São três semiesferas que podem abrigar exposições.
Na cidade de Maasbommel há uma vila de casas flutuantes. Por questão de segurança, os donos só passam oito meses por ano no local. Elas custam 20% a mais que uma moradia comum, possuem jardins e possibilitam que os moradores nadem e pesquem com facilidade.
Outros países também aderiram à ideia das estruturas flutuantes: as Ilhas Maldivas querem construir um campo de golfe e, em Dubai, há projeto de fazer uma praia flutuante.
Barreira
A Inglaterra, a Rússia e a Holanda construíram barreiras contra tempestades. Com as mudanças climáticas, elas serão fundamentais. Atualmente, a barreira em Hoek van Holland, que protege Roterdã, precisa ser usada em média a cada dez anos, quando o tempo está realmente ruim e o nível da água sobe mais de 3 metros. Porém, a expectativa é que, em 50 anos, a barreira passe a ser usada a cada cinco anos. Os números mostram que a obra compensa. Reforçar os diques existentes custaria 820 milhões, enquanto o gasto com a barreira foi de 660 milhões.
Afra Balazina/O Estado de SP
 
 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 19, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: