RSS

AÇAI MAIS QUE UMA FRUTA DE CONSUMO

22 out


As várias propriedades benéficas do açaí





Danielle Kiffer/ FAPERJ



Seja por seu sabor peculiar, seja por seu alto valor nutritivo, a polpa do açaí caiu no gosto popular. E foi o amplo consumo da fruta no país e sua riqueza nutritiva que estimularam o professor Roberto Soares de Moura, pesquisador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e reitor do Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo), a investigar em laboratório suas propriedades farmacológicas. 
O resultado não poderia ser melhor: ficou comprovado que o extrato do caroço do açaí é anti-hipertensivo, reduz o nível de colesterol do sangue e diminui a resistência insulínica. O estudo faz parte do projeto “Aspectos Farmacológicos do Extrato do Açaí (Euterpe oleracea Mart.): Efeitos Cardiometabólicos e no Sistema Nervoso Central”, apoiado pelo edital Pensa Rio, da FAPERJ.
Da primeira vez que Roberto Moura estudou o açaí em laboratório, usou a polpa congelada que conseguiu numa lanchonete perto de casa, tamanho o seu empenho em descobrir as propriedades da fruta. Depois de observar seu efeito vasodilatador, o pesquisador conseguiu unidades da fruta inteira com seu ex-aluno de mestrado, o professor Pergentino José Cunha Souza, da Universidade Federal do Pará (UFPA), enviadas via sedex. “Fiz três extratos: um somente da polpa, outro da fruta inteira e um terceiro usando apenas o caroço. Ao verificar a ação vasodilatadora em ratos, para minha surpresa, constatei que o extrato mais ativo foi o obtido do caroço. Ele é mais potente, inclusive, como antioxidante, devido à quantidade e à qualidade de polifenóis – substâncias com ação contra os radicais livres, também encontradas nas uvas viníferas”, afirma Roberto.
A partir dessa descoberta, os estudos do pesquisador se concentraram no extrato do caroço de açaí. Depois de uma série de experimentos em laboratório, ele constatou que, por sua ação vasodilatadora, o composto pode ser utilizado como anti-hipertensivo. O pesquisador e sua equipe também conseguiram provar que o extrato diminui o colesterol. E, além disso, reduz a resistência à insulina no organismo. “O extrato tem efeito celular, ativando o transportador da glicose, o glut 4. Nas pessoas com diabetes ou com síndrome metabólica, este receptor da insulina fica meio ‘adormecido’ e acaba não ativando adequadamente o transporte de glicose para o interior das células”, explica. 
A síndrome metabólica pode ser considerada uma doença da civilização moderna, pois é caracterizada pela associação de fatores de risco, como a obesidade, a alimentação inadequada, sedentarismo, maior incidência de doenças cardiovasculares (ataques cardíacos e derrames cerebrais), e diabetes. 
Por suas propriedades, o extrato de açaí pode ter aplicações diversas. Está em testes, por exemplo, o efeito cicatrizante do uso do extrato em forma de pomada. Ao verificar os efeitos antiinflamatório e antioxidante do extrato, o pesquisador também está testando sua utilização como enxaguatório bucal, para tratar periodontites e outras inflamações da boca. “Já firmamos parceria com um laboratório para desenvolver estes produtos.”
Certo da ação antiinflamatória e antioxidante do extrato do caroço de açaí, Roberto Moura resolveu testar sua eficácia contra um dos males que atingem milhares de brasileiros: o enfisema pulmonar – doença inflamatória e obstrutiva crônica, em que o tecido do pulmão é gradativamente obstruído, provocada, na maioria dos casos, pelo tabagismo.
“Como as causas do enfisema são inflamatórias, associadas a um grande estresse oxidativo, face à grande quantidade de radicais livres encontrados na fumaça do cigarro e ainda, gerados na própria estrutura, estamos testando a eficácia das propriedades antiinflamatórias e antioxidantes do extrato de açaí para reduzir as consequências da doença”, explica.
“Como nenhum fumante tomaria açaí antes de fumar um cigarro, optei por uma solução mais radical. Resolvi misturar o extrato do caroço de açaí ao cigarro”, diz. Para testar a novidade, Roberto Moura fez, durante dois meses, um experimento com ratos de laboratório. Um grupo de animais foi exposto à fumaça de cigarro comum, outro grupo foi exposto à fumaça de cigarro contendo extrato de caroço de açaí, e um terceiro grupo, denominado grupo-controle, foi exposto ao ar ambiente.
“Enquanto o pulmão dos animais expostos à fumaça de um cigarro comum tinha um número de radicais livres elevadíssimo, inflamação profunda nos alvéolos e lesões tipo enfisematosas, os ratos que respiraram a fumaça de cigarro com extrato do açaí quase não apresentaram lesões. E dois meses de fumaça de cigarro representam um período muito longo para os roedores”, explicou. Segundo o pesquisador, o trabalho foi apresentado num congresso na Dinamarca e será publicado em periódico científico de circulação internacional. 
O pesquisador pretende ver, futuramente, o extrato de caroço de açaí sendo comercializado em diferentes formas – em cápsulas, pomadas ou mesmo no filtro dos cigarros – nas farmácias e lojas do País. Para isso, está procurando laboratórios para estabelecer parcerias. “Além dos comprovados efeitos benéficos para a saúde, uma de suas grandes vantagens será o preço, pois toneladas de caroço de açaí são jogadas fora sem nenhuma utilização. E tudo isso poder ser aproveitado em benefício da saúde”, conclui.
 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 22, 2010 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: