RSS

>COMEÇOU A CORRIDA POR CARGOS

05 jan

>

Sarney, Temer e líderes do PMDB conversam sobre disputa de cargos

do Correio do Brasil
  Por Redação, de Brasília
Luiz Sérgio
O ministro Luiz Sérgio minimiza a disputa entre o PT e o PMDB
O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), reuniu-se com o vice-presidente da República, Michel Temer, e dirigentes do PMDB, nesta terça-feira, para conversar sobre as possíveis soluções na disputa por cargos pleiteados pelo partido no segundo escalão do governo. Na pauta, a reação do partido que, na véspera, boicotou a presença de líderes partidários nas recentes nomeações em ministérios e empresas públicas.
A reunião marcada, inicialmente, para a residência de Sarney, foi cancelada e um novo local foi agendado, mas longe das câmeras. Fonte do PMDB disse ao Correio do Brasil, nesta manhã, que “o momento não é para dar entrevistas”.

– Precisamos conversar sem a pressão da imprensa – afirmou.
O presidente interino da legenda, senador Valdir Raupp (RO), os líderes na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), e no Senado, Renan Calheiros (AL), além do senador eleito Eunício Oliveira (CE) e o deputado federal Eduardo Cunha (RJ) participaram do encontro.
A disputa por cargos entre o PMDB, o PT e demais partidos aliados também foi um dos ítens na pauta da reunião entre a presidenta e seus assessores mais próximos, na tarde desta segunda-feira. No encontro, o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, também pediu o empenho de todos os setores do governo para encerrar as disputas partidárias no Congresso para que o deputado Marco Maia (PT-RS) seja eleito presidente da Câmara, em fevereiro, sem sobressaltos.
Nesta manhã, o ministro das Relações Institucionais, Luiz Sérgio, negou que a disputa por cargos signifique uma crise com o PMDB. Ele garante que a relação é “muito tranquila”.
– Não estamos vendo o que alguns veículos da mídia têm noticiando, sobre essa crise. Isso não existe. A relação com os partidos da base aliada é muito tranquila. O PMDB é parte importante desse projeto, que está colocando o Brasil em outro patamar. Esse debate (sobre cargos) tem acontecido de forma muito tranquila. A relação com o PMDB está muito boa – disse o ministro aos jornalistas.
Visita de cortesia
Na véspera, Sarney fez uma visita à presidente da República Dilma Rousseff, que lhe manifestou o desejo de “prestigiar e de trabalhar sempre em harmonia com o Poder Legislativo”, disse.
– A presidente deseja que nosso trabalho seja conjunto e que ao mesmo tempo, possa ser em favor do país – relatou Sarney.
O presidente do Senado disse ter conversado com a presidente da República sobre as matérias que estão pendentes de decisão no Senado e os projetos que devem ser votados este ano
– Nos colocamos à disposição dela para esclarecer sobre matérias que estão tramitando em nossa Casa – afirmou Sarney, na saída da posse do novo ministro do Turismo, Pedro Novais.
Sarney disse ainda que Dilma não fez nenhum pedido específico em relação à pauta de votações do Senado.
– Ao contrário, a provocação foi minha de expor as matérias que estavam tramitando. Dilma manifestou que queria trabalhar sempre em harmonia com o Poder Legislativo, para prestigiar o Poder Legislativo. A presidente deseja que nosso trabalho seja conjunto e que ao mesmo tempo, possa ser em favor do país – relatou Sarney.
Orçamento
José Sarney deve encaminhar ainda nesta semana à presidente Dilma o texto final da lei orçamentária de 2011, que deverá ser sancionado por ela. É provável que Dilma promova cortes de R$ 30 bilhões no orçamento de 2011, de acordo com notícias que vem sendo publicadas na imprensa. O salário mínimo, fixado em R$ 540, não deve ser afetado pelos cortes. Conforme o ministro da Previdência, Garibaldi Alves, a cifra aprovada pelo Congresso deverá ser mantida.
Aprovado na noite do dia 22 de dezembro, o Orçamento para 2011 contempla um cenário econômico voltado para a austeridade no gasto público. Ali está estabelecido que o limite para remanejamento das verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) terá o teto de 30%, mas o governo deverá informar à Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) quando superar os 25%.
O texto da lei orçamentária seguirá ao Palácio do Planalto com duas mensagens: uma de Sarney para Dilma Rousseff e outra do 1º secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), enviando o mesmo documento ao chefe da Casa Civil, ministro Antonio Palocci.
 
Deixe um comentário

Publicado por em janeiro 5, 2011 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: