RSS

>QUANTO VALE UMA VIDA?

15 jan

>

O preço de 500 vidas

do Instituto Millenium
ricardo.gallupo
A tragédia que mais uma vez se abateu sobre os estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e já custou a vida de mais de 500 pessoas em diversas cidades, obrigou a abertura de um debate sério sobre um tema de alta gravidade. E que não está sob a responsabilidade exclusiva da presidente Dilma Rousseff e de Sérgio Cabral, governador do estado mais castigado, o Rio de Janeiro.
Ontem, os dois tiveram a coragem de reconhecer que parte da tragédia se deve a um comportamento estimulado no país ao longo de décadas: a ocupação irregular de terras.
Eles não desceram a fundo na questão, mas é sabido que os chamados “movimentos sociais”, estimulados por políticos e “líderes comunitários” oportunistas, abusaram desse instrumento – e muita gente tirou daí uma série de vantagens eleitorais.
Empurrados pela demagogia que apontava a invasão como meio legítimo de se assegurar o direito à moradia, milhões de pessoas expuseram suas vidas a um risco sem dimensão.
Um desastre do porte desse que está acontecendo na região serrana do Rio de Janeiro poderia ter se dado às margens da represa Guarapiranga, em São Paulo, nas favelas no vale do Rio Arrudas, em Belo Horizonte, e em diversos lugares pelo Brasil afora. Não importa se a causa das mortes é tromba d’água, incêndio ou deslizamento de terras.
No fundo, essas tragédias tornaram-se corriqueiras e revelam um traço hipócrita de nossa sociedade: aqui, fala-se muito em direitos e quase nada em deveres.
Diante de tanta tristeza, chega a ser obrigatório citar o poeta Castro Alves para lembrar que “existe um povo que a bandeira empresta para cobrir tamanha infâmia e covardia”.
Só o fato de admitir que pessoas vivam nas condições em que vivem os moradores das áreas de risco faz de nós cúmplices da tragédia.
A parte da sociedade brasileira que tem noção de sua responsabilidade tributária deve exigir que seu dinheiro ajude a resolver o problema de milhões de pessoas que vivem em situação de risco.
É preciso que o Estado consiga os terrenos e encontre uma técnica construtiva segura, barata e adequada, que leve à solução rápida e definitiva para o problema.
E crie mecanismos que coibam a demagogia e cobrem responsabilidades de quem ganha com essa prática. Do contrário, todo avanço econômico será efêmero e de nada valerá.
Fonte: Brasil Econômico,
 
Deixe um comentário

Publicado por em janeiro 15, 2011 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: