RSS

>PREMIO PETROBRAS DE TECNOLOGIA

12 jun

>

Planeta Coppe – O aluno de doutorado da Coppe, Rafael Aislan Amaral, recebeu , dia 3 de junho, o Prêmio Petrobras de Tecnologia. Primeiro lugar na categoria mestrado, Rafael concorreu ao prêmio com o resultado obtido em sua dissertação de mestrado na Coppe, sob a orientação dos professores do Programa de Engenharia Química (PEQ), Claudio Habert e Cristiano Borges.
Trata-se de uma tecnologia, inédita, que utiliza processo de separação por membranas para remover dois gases nocivos ao meio ambiente e à atividade de exploração de petróleo: o dióxido de carbono (CO2), que diminui a qualidade do combustível e é um dos responsáveis pelo efeito estufa, e o sulfeto de hidrogênio (H2S), que provoca corrosão nos materiais e equipamentos utilizados na exploração.





 Uma importante vantagem da tecnologia brasileira é o fato de utilizar dispositivos modulares, ou seja, estruturas de pequeno porte que tornam mais eficiente o processo e mais barato o custo de operação.
A Coppe e a Petrobras já estão investindo R$ 1 milhão na instalação de uma unidade piloto para testar a nova tecnologia em condições mais próximas às dos campos de produção de petróleo. A instalação ocupará uma parte do Centro de Tratamento de Gás Natural que será inaugurado no segundo semestre de 2011, no Parque Tecnológico, na Cidade Universitária.
Com a descoberta das reservas na camada pré-sal e o consequente aumento da produção de petróleo e gás no país, tecnologias para captura de CO2 e H2S se fazem cada vez mais necessárias. Em contato com a água, esses gases geram ácidos que corroem tubulações e equipamentos, causando prejuízos à indústria. A tecnologia brasileira poderá reduzir o impacto ambiental e evitar o desgaste de equipamentos que resultam em prejuízos da ordem de bilhões de dólares para indústria de petróleo no mundo.
Dispositivos modulares – O estudo propõe a utilização de dispositivos modulares, que podem ser instalados diretamente nas plataformas offshore, reduzindo em até 60% o espaço ocupado por uma coluna de absorção química, que é a tecnologia convencional usada até hoje para a remoção desses gases, e tornando o custo de operação mais barato. “As colunas de absorção são estruturas mais robustas, podem ser instaladas em refinarias e navios-plataforma, mas têm custos de fabricação, operação e manutenção mais caros”, explica Rafael, que atualmente faz seu doutoramento no PEQ/Coppe.
Com a redução de tamanho e de peso também se ganha em flexibilidade operacional. A estrutura modular pode ser adaptada ao aumento de produção. Segundo Rafael, é possível adicionar mais módulos para atender a necessidade de aumento de produção. No caso das colunas de absorção, seria preciso redimensionar toda a instalação.
“Os módulos de separação por membrana, por serem mais compactos e leves, são de mais fácil controle operacional. Estamos lidando com um dos metros quadrados mais caros do mundo, que são as plataformas”, ressalta o professor Cristiano Borges, um dos orientadores do trabalho.
Além da flexibilidade, a tecnologia brasileira é mais eficiente na captura do dióxido de carbono (CO2), que diminui a qualidade do combustível e é responsável pelo aquecimento global, e do H2S, um gás tóxico, que provoca corrosão e vazamento de tubulações, e é uma das principais causas de problemas com odor em estações de tratamento de água e esgoto e em indústrias químicas e petroquímicas.
Como funciona a tecnologia – Para realizar a pesquisa, Rafael montou um sistema de depuração de gases, em escala de bancada, para estudar as principais variáveis operacionais como pressão, velocidade de circulação, temperatura e emprego de diferentes absorventes. De um lado da membrana circula a corrente gasosa contendo CO2 e H2S, do outro uma corrente líquida contendo um absorvente. Os contaminantes permeiam preferencialmente pela membrana e ao reagir com o absorvente são carreados pela corrente líquida.
Nos testes realizados no Laboratório de Processos de Separação com Membranas (PAM), foram comparados os desempenhos de um módulo comercial de membranas microporosas e um módulo fabricado no laboratório com membranas poliméricas compostas. Membrana dupla dotada de camada densa depositada sobre um suporte poroso, a membrana composta se mostrou mais eficiente, possibilitando a remoção de até 73% de CO2 e 66% de H2S, índices estes que podem ser otimizados numa instalação industrial, projetando-a para remoção quase que total destes contaminantes.
As membranas foram eficazes também ao evitar a formação de espuma e passagem de líquido em excesso, problemas comuns em colunas de absorção, pois a mistura gasosa dispersa quando em contato com o líquido. De acordo com o sistema proposto pela Coppe, as correntes de líquido e gás circulam independentemente, aumentando a eficiência do processo de depuração do gás natural.
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 12, 2011 em Uncategorized

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: